{besps}a{/besps} 

Atirador antigo já tem seus equipamentos e seus fornecedores de confiança. Escrevo para os novos a ingressarem neste esporte.


Para adquirir arma de fogo no Brasil o cidadão ou cidadã tem de ser maior de 25 anos e cumprir a legislação pertinente, registrando-a no SINARM da Polícia federal se for para uso em casa (defesa pessoal) ou no SIGMA do Exército, caso dos Colecionadores, Atiradores e/ou Caçadores, conhecidos como CAC. No caso de equipamento e material de recarga, o procedimento é o mesmo para armas, produtos controlados. Portanto, estamos supondo que o leitor ou leitora se enquadra na forma da lei nos ditames acima. E ainda, aqui mostramos superficialmente. No caso de recarga, ler não é suficiente. Recomendamos um curso, chamado normalmente de ‘clínica’ em que o instrutor demonstra o como fazer e explica os demais cuidados, pois, munição recarregada fraca ou forte demais, causa danos à arma, na melhor das hipóteses.

Lembramos ainda que Recarga de munição é uma atividade realizada por atiradores para montar munições, reutilizando o estojo e inserindo nova espoleta, propelente (pólvora) e projétil.


A atividade é regulamentada no Brasil pelo DFPC (Departamento de Fiscalização de Produtos Controlados), portanto para realizar a recarga o atirador deve obter autorização (Certificado de Registro - CR).


A espoleta e o propelente (pólvora) são materiais perigosos e o seu manuseio deve ser realizado por pessoas devidamente habilitadas.


A recarga de munição necessita de alguns equipamentos básicos para realizar o procedimento de recarga:


• Tamboreador.
• Prensa para recarga (Die, Shell holder).
• Balança.

Mundialmente é utilizada para se medir a massa dos componentes para recarga a unidade de medida grain (grão), que corresponde a aproximadamente 0,0648 gramas. Ou como dizemos no 'Tiro", 1 grama (g) é igual a 15,43 grains (gr).

Normalmente os fabricantes de dies fornecem para os calibres de uso nas Pistola e Revolver três dies: Despoletador / Calibrador, Abertura da boca do estojo, Assentamento do projétil e fechamento. Nos calibres destinados a uso em Fuzil são fornecidos apenas dois dies: Despoletador/Calibrador e assentamento do projétil.

Preparação dos estojos

Podemos adquirir estojos novos ou reutilizar estojos deflagados.

Caso o estojo esteja muito sujo, é necessária a limpeza prévia antes do processo de retirar a espoleta e calibrar o diâmetro utilizando-se a prensa e o jogo de dies e shell-holder do calibre especifico.

• Limpeza dos estojos - Com os estojos devidamente calibrados e a espoleta retirada, devemos utilizar um tamboreador, que pode utilizar o processo de limpeza liquida ou seca.
• Espoletamento - Para assentar a espoleta, podemos utilizar a ferramenta de espoletamento que acompanha a prensa.
• Abertura da boca - Utilizamos o die especifico para abertura da boca do estojo possibilitando a posterior inserção do projétil.
• Inserção da Pólvora - Inserimos com a ajuda de um funil a quantidade de pólvora necessária.
• Inserção do Projétil - Com o die e shell holder especifico fixamos o estojo com a pólvora e inserimos o projétil, acionando a prensa o projétil deverá ficar na altura correta (OAL) e efetuamos o fechamento do estojo (taper climp).

 

 

Temos uma variedade muito grande de prensas para recarga, nacionais ou importadas. Das importadas, as Dillon de grande capacidade são indicadas para Clubes. As Lee ou Lyman são muito famosas no mundo todo.

 


Temos prensas “O” que fazem uma operação por vez e as progressivas ou semi-progressivas que possuem vários DIE’s completando todo o ciclo de recarga.
Uma prensa bem feita, robusta e de bom preço é a RECARGAMATIC do Eloir Marcelino. No filmete a seguir, o funcionamento de uma semi progressiva 5 C.

 

 

No site da RECARGAMATIC você encontrará outros produtos.

Todo atirador que compete, adquire seus insumos em repasses oficiais da CBC sob a supervisão do SFPC da Região Militar local (seu Clube de Tiro lhe informará as regras e como se habilitar) onde você adquire desde estojos vazios, espoletas, pólvora e até pontas.

 

 

Mas as pontas da CBC são jaquetadas e normalmente, o atirador prefere pontas de chumbo macio, que gastam menos os canos das armas e não danificam alvos com os ‘plates’ de aço.

Neste caso, as mais famosas e confiáveis são os projéteis pintados da Lyon Bullets do Cassiano Filho.

Eu recomendo!


 

OBS.: Luiz Mergulhão é atirador especialista do Circulo Militar da Vila Militar (Rio de Janeiro) e assessor da CBTD.

 

 

Joomlashack