Inegavelmente as pistolas GLOCK, fabricadas na Áustria, são hoje o objeto de desejo das forças policiais de todo o mundo e não poderiam ser diferentes no Brasil.

Mas ao ler o Manual delas, qualquer atirador esportivo fica no mínimo preocupado. Proíbem o uso de munições recarregadas e inclusive falam em perda de garantia! (Pág. 12 e outras do Manual em Português)

Ora, sei que os austríacos – como os alemães, são muito bitolados... Mas recarga de munição, principalmente no Brasil onde o monopólio aliado aos altos tributos fazem do esporte uma coisa elitizada permitida apenas aos mais abastados.

A Recarga de Munição, logo, veio permitir maior democratização do tiro esportivo.

Acreditamos que o manual da GLOCK se refira a projéteis de chumbo, pois, pela característica do raiamento de seu cano, há uma maior chumbamento o que, de fato, estrada ou diminui a vida útil do mesmo.

É por isso que inúmeros fabricantes de pontas a revestem com teflon, epóxi ou tintas que protegem o cano desses chumbamentos.

Vou transcrever abaixo um artigo antigo do meu amigo Eloir Marcelino que fala dessa técnica.

 


 

 

Efeitos Balísticos de Projéteis Revestidos

Atualmente tem se expandido muito no Brasil e em outros países o uso de projéteis revestidos, por evitarem o chumbamento do cano da arma, não provocarem fumaça quando da queima da pólvora e serem mais limpos na recarga.

 

 A prática atual muito usada aqui é o revestimento usando polímeros. Primeiramente os projéteis são fundidos com chumbo de satisfatória dureza e, após o processo de calibragem são pintados, na maioria das vezes na forma rotacional de pintura.

Por coincidência no Gun Digest 2017 saiu uma reportagem falando sobre a performance das diversas formas de revestimento dos projéteis e para elucidar os atiradores fizemos uma tradução do conteúdo.

 Hoje em dia os recarregadores tem ampla gama de projéteis à sua escolha. A seleção geralmente depende da intenção do uso (plinking, alvo, caça ou defesa), também o tipo (chumbo, prateado ou jaquetado), também o fomato(RN,FN,HP) alimentação, reabilitação e custo. Como muitos recarregadores sabem, diferentes projéteis podem produzir diferentes velocidades com a mesma carga, mesmo tendo o mesmo formato e peso.

Seis diferentes tipos de projétil .45 ACP, de 230 grains ponta redonda(RN) foram comparados para ver como eles respondem com a mesma carga de pólvora. Eram eles FMJ (Full metal jacket), prateados, prensados, fundidos, coberto com Molybdenum disulfide, e projéteis fundidos revestido com pintura de polímero, esse revestimento reduz a fumaça produzida pelos projéteis lubrificados com cera.

Os projeteis usados no teste foram Remington FMJ, Berry`s copper plated, Hornady swaged, Oregon Trail cast, Bear Creek Supply proprietário da Moly Coated cast and Bayou Bullets Hi-Tek polymer coated cast (figura 1) Os projéteis foram recarregados com cápsulas Blazer com espoletas CCI 500.

 

 

Figura -1

 

Quatro diferentes pesos de cargas de pólvora Winchester 231 foram usadas. Dez cartuchos com a mesma carga e mesmo projétil foram recarregados para a avaliação, num total de 240 tiros com uma pistola .45 Para Ordenance P14. As velocidades foram medidas com Shooting Chrony Chronograph a 3 metros de distância da boca do cano.

Diferentes tipos de projéteis produzem diferentes velocidades com a mesma carga de pólvora e a mesma espoleta. Fig. 2. Projeteis fundidos foram os mais rápidos, acompanhado pelos pintados com polímeros. Os recobertos com molibdênio, os prensados e jaquetados e prateados foram os mais lentos.

 

Figura -2

 

 

A média em extrema velocidade entre os mais rápidos e os mais lentos com a mesma carga de pólvora foi 75 fps, traduzido dentro da diferença em pólvora fator de 17,25.

Produzindo diferente velocidades com a mesma carga de pólvora significa que eles requerem diferentes quantidades de pólvora para realizar a mesma velocidade. Os projeteis fundidos, por serem os mais rápidos requerem menor quantidade de pólvora para darem a mesma velocidade, enquanto os projéteis prateados requerem mais pólvora (Tabela 1) Por exemplo, os projéteis prateados requerem 0.6 grains a mais de pólvora que os fundidos para alcançar a mesma velocidade de 800 fps.

Para testar a generalidade do resultado com os projeteis .45 uma adicional comparação foi feita como .38 super com projeteis de 124/125 grains. Incluem fundidos,jaquetados,prateados, moly e pintados com polímeros. Entretanto, este teste consistiu de uma larga variedade de marcas de projéteis prateados e jaquetados (fig-3)

 

 

Figura -3

 


Dez cartuchos com cada tipo de projétil foram recarregados com cápsulas Starline.38 super com espoletas CCI 500 carregados com 5,3 grains de pólvora Winchester 231. Foram atirados com pistola Para Ordenance com cano de 5 polegadas.

Os resultados obtidos foram os mesmos da .45, mas o uso de múltiplas marcas de projéteis modificou um pouco a velocidade conforme sua marca, (fig. -4)

 

Figura -4

 

Projeteis encamisados e prateados foram os que produziram as mais baixas velocidades, Berry´s speer,Montana Gold, Remington,Sierra.

Os projéteis revestidos com Moly (gráfico barra branca e preta) foram mais rápidos que os prateados e jaquetados, mas mais lerdos que os que outros pintados com polímeros. O projétil fundido e lubrificado foi o mais rápido de todos, justamente como foi o teste do .45.

A média entre os menos velozes e os mais velozes foi de 64 fps. Peso de 124/125 grains traduz em fator  oito.

Conclusão

Diferentes tipos de projéteis produzem diferentes velocidades com a mesma carga. Diferentes marcas do mesmo tipo tal como FMJ podem produzir diferentes velocidades. Nesses testes projéteis fundidos e lubrificados foram os mais rápidos que outros tipos.

Aconselhamos sempre a usarem dados de tabelas de fabricante de pólvora e projéteis para se obter a melhor performance.

Procure obter dados no web site e nos grupos de recarga. Nunca use carga máxima já de cara, sempre comece com menos pólvora e vá aumentando gradativamente até obter o pretendido.

 

Por: ELOIR MARIO MARCELINO.

Recargamatic Ltda.

 

 


Sobre este artigo, assim se manifestou o dono da Lyon Bullets mencionada:

Marcello Morbin (Lyon Bullets)

100% verdade
Ainda melhor que as jaquetas metálicas pois são menos abrasivos, ideal para o esporte do tiro onde o volume de disparos é muito maior.





 

Joomlashack